sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Cinema - "Roleta chinesa" - Fassbinder




Filme realizado para a TV em 1976, “A roleta chinesa” também poderia ser chamada de “Adultério à alemã”; Fassbinder desfila toda a hipocrisia da classe burguesa ao retratar um matrimonio que coincide com seus respectivos amantes na velha mansão de veraneio da família. O encontro foi secretamente planejado pela filha do casal . A inusitada situação não provocaria danos morais aos envolvidos se a própria filha não resolvesse estar presente.
Durante a estadia, a jovem propõe a todos jogar roleta chinesa – uma espécie de jogo da verdade, em que um grupo tenta adivinhar com perguntas de caráter simbólico, a identidade de uma pessoa escolhida. Então se desenrola toda a tensão emocional camuflada no falso moralismo burguês e na necessidade de se manter as convenções sociais. Com uma fotografia estilizada e a câmera com movimentos deslizantes que desnudam cada personagem, a película confirma a maturidade de Fassbinder como diretor. Destaque para o diálogo entre o marido e o amante da esposa; “Você a ama?” – pergunta o rapaz - “Estou acostumado a ela..” – responde o esposo. “ Estar acostumado a uma pessoa e viver com ela, também não é amor?” – Conclui o amante.
Sábio Fassbinder.

Literatura Noir (6) - Raymond Chandler "Amor e morte em Poodle Springs"




Raymond Chandler não viveu para terminar sua ultima novela: “Amor e morte em Poodle Springs” permaneceu na gaveta de seus herdeiros por 30 anos, até ser lançada em 1989. A obra foi acabada pelo celebrado autor Robert Parker, um dos grandes estudiosos, admiradores e discípulos de Chandler. Escrita em 1959, o livro não possui a mesma grandiosidade de “O sono eterno” e “O longo adeus” – esse, considerado um dos maiores romances da literatura americana do século XX.
É a última aparição do mítico detetive Philip Marlowe, agora devidamente casado com uma milionária californiana e instalado em uma cinematográfica mansão nos arredores de Hollywood. O conflito interno de Marlowe por ter como esposa uma mulher mergulhada em dinheiro acompanha toda a narrativa. Entre diálogos simples e diretos, ela insiste em convencê-lo a deixar seu escritório e o detetive – cínico como de costume – rejeita a idéia em nome do orgulho e da opção profissional que fez. Em uma tarde, Marlowe recebe a visita de Lipshultz - um proprietário de casas noturnas metido em jogo e outras ações delitivas; alguém lhe deve 100 mil dólares e Marlowe é encarregado de saber o paradeiro do indivíduo. Ao longo da procura, o detetive se depara com dois cadáveres, mulheres semi-desnudas à beira de ataques de nervos e seguranças fiéis ao passado de ex-boxeadores. Ao melhor estilo Chandler.
Trecho escolhido: “Os bêbados são criaturas frágeis. Precisam ser levados como um copo muito cheio; é só entornar para qualquer lado, e eles derramam tudo. Eu os conhecia. Passara a metade da vida conversando com bêbados em bares como aquele".