domingo, 4 de setembro de 2011

Livros - Toninho Vaz - "Solar da Fossa"


Quem passa em frente ao Shoping Rio-Sul não pode imaginar que naquele mesmíssimo terreno, há aproximadamente 40 anos atrás, estava edificado a pensão Santa Terezinha - melhor dito, o "Solar da Fossa". O escritor Toninho Vaz recupera à memória nacional as histórias dessa pensão de 85 apartamentos situada no bairro de Botafogo, zona sul do Rio de Janeiro. O que ela tinha de interessante? Segundo o jornalista Ruy Castro - também ex-morador do recinto - "nenhum outro endereço do Rio, em qualquer época, concentrou tanta gente que, um dia, atuaria de forma tão decisiva na cultura. Não que eles já fossem o que logo se tornariam. Ao contrário, estavam quase todos apenas começando - e é isso que torna a história ainda mais interessante."
Entre 1964 e 1971 o "Solar" recebeu moradores ou "agregados" como Paulo Leminski, Gal Costa, Caetano Veloso, Paulinho da Viola, Itala Nandi, Cláudio Marzo, Tim Maia, Cristóvão Buarque, Paulo Coelho, Aderbal Freire Filho...e a lista é interminável! Desde cariocas cansados da opressão do entorno familiar - a atriz Betty Faria abriu mão de um amplo apartamento em Copacabana em que vivia com o pai General - até Naná Vasconcelos, emigrado de sua Pernambuco natal em busca da carreira musical na cidade maravilhosa. A conjunção aluguel barato + ambiente libertário, traçou o perfil dos moradores locais; jovens com sede de revolução.
O casarão em estilo colonial, com a apenas dois andares, formava um jardim retangular, cenário de festas, encontros e até de uma "missa leiga" realizada nos últimos dias antes da desapropriação do imóvel; nesse jardim, Caetano Veloso imortalizou o lugar nos versos de "Panis et circencis": "Mandei plantar/folhas de sonho no jardim do Solar...."
O texto de Toninho Vaz propicia uma leitura fácil, ao ritmo dos acontecimentos da época - dos festivais de música ao Ato Institucional Nº5 - e é inevitável a vontade de mergulhar nos anos 1960, e ter vivido "o sonho", que logo depois, se tranformaria no pesadelo dos "anos de chumbo" do governo Médici.
Trecho escolhido: Depoimento do repórter e ex-morador Telmo Wambier: "Houve um momento em que a coisa começou a endurecer e a Polícia finalmente apareceu no Solar. A notícia vazou antes, acho que por conta da Dona Jurema, e tivemos tempo de nos prevenir. Eu e o Jeferson enchemos uma mala de livros consideramos subversivos e enterramos no jardim do Solar. Tinha Marx, Engels, Lenin...hoje posso dizer que, sobre o melhor pensamento socialista da história da humanidade, nasceu o maior templo de consumo do Rio de Janeiro, que foi aquele shopping. São os paradoxos da vida."

3 comentários:

  1. Que coisa, essa transformação tão radical da paisagem. A memória fica com da perda da herança subjetiva que os moradores do Solar da Fossa implacaram naquele território. Infelizmente é uma prática brasileira, os exemplos são tantos, como até o de agora nas favelas cariocas sendo remodeladas, não para nós, mas para os turistas. Parabéns Toninho! Não vamos esquecer nossas memórias.
    Eduardo Kratochwil

    ResponderExcluir
  2. O Toninho Vaz escreveu uma biografia excelente sobre o Paulo Leminski. Nela há referências e passagens preciosas do Leminski pelo Solar da Fossa.

    Agradeço pela dica de leitura.

    Um abraço.

    André.

    ResponderExcluir
  3. Grandes contribuições - sempre elucidativas - do Eduardo Kratochwil e do querido André. Agradeço pelos comentários; o que aconteceu com a especulação imobiliária no Rio dos anos 60,70 e 80, é caso de polícia!!! E Toninho assinou também uma biografia de Torquato Neto, além da já citada sobre Leminski!abraços,parceiros!!

    ResponderExcluir