sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Literatura - "O fim de semana" - Bernhard Schlink


Bernhard Schlink é um mestre dos enredos aparentemente simples que desembocam em tramas inventivas , com personagens realistas , originais. Como escritor sempre tenho uma sensação de "inveja criativa" ao terminar seus romances; "Como eu não pensei nessa história antes?". Foi assim com "O outro" - levado às telas de cinema com Antonio Banderas - ,"A menina e a lagartixa" e "O leitor" - esse também mereceu uma adaptação cinematográfica com Kate Winslet. Histórias que podem "escorregar" pela previsibilidade ou ancorar-se em certos arquétipos de personagens literários, ganham novo fôlego com o autor alemão.Quanto à forma, Schlink é direto sem optar por caminhos que comprometam a linearidade da narrativa. Ser claro, em muitos casos, é o mais complicado. Em "O fim de semana" o protagonista é um ex- membro da Fração do Exército Vermelho acusado de cometer quatro homicídios na alemanha dos anos 1970. Jorg é libertado ao receber o indulto após permanecer por 24 anos na prisão; solto - em seu primeiro fim de semana - é recebido na saída da penitenciária pela irmã. Ela reuniu os velhos companheiros de juventude de Jorg numa casa de campo para o esperado reencontro - sem consultá-lo se esse realmente era o seu desejo. Duas décadas se passaram e os ressentimentos, amores, frustrações, todo e qualquer resquício emocional é jorrado entre o protagonista e seus "convidados" nesse memorável fim de semana.
Trecho escolhido: "Da última vez que vira Ilse, em algum momento dos anos 1970, era uma jovem bonita, o nariz e o queixo algo pontudos, a boca um pouco rígida, a postura sempre um pouco encurvada para que seus seios grandes não chamassem muito a atenção, mas irradiava um brilho especial com sua pele clara, seus olhos azuis,seus cabelos loiros. Agora Henner já não encontrou mais aquele brilho, nem mesmo no sorriso gentil com que ela respondeu ao reencontro e ao reconhecimento. Sentiu-se constrangido com o fato de ela não ser mais aquilo que era e prometera continuar sendo."

6 comentários:

  1. Testando comentário, testando comentário..

    ResponderExcluir
  2. Bernard Schlink sempre confronta seus protagonistas com o próprio passado. E mais, a privação da liberdade pessoal dos mesmos por atos cometidos tempos atrás. Seriam as sentenças injustas, as acusações infundadas? No caso da protagonista de "O Leitor", analfabeta, submissa às ordens de cima, seria ela responsável ou vítima pelas atrocidades do passado? Parece ser a pergunta de Schlink a nós, leitores, em relação a nossos erros ou faltas do próprio passado.

    ResponderExcluir
  3. Bernhard Schlink is undoubtedly a writer hands full. I read a book called it "the reader" which is simply a masterpiece. Nice tip. Thanks for the nomination

    ResponderExcluir
  4. I just saw the picture; I´d like to read the book,too!thanks for participation!

    ResponderExcluir
  5. Não sei se foi a tradução, mas achei a história muito confusa! Apesar de eu amar a escrita do Bernhard, O Fim de Semana, assim como A Menina com a Lagartixa, é bastante intrigante. E, com certeza, é um livro que deve ser lido, afinal, o Schlink é um ótimo escritor.

    ResponderExcluir