domingo, 6 de fevereiro de 2011

Literatura - "Bravura indômita" - Charles Portis


Sempre tive preconceito com o gênero "Western"; nas "sessões da tarde" no final dos anos 70, John Wayne me entendiava com a rapidez e a precisão de seu gatilho em exterminar índios excluídos e criminosos brancos desajustados. Glauber Rocha foi o primeiro a me chamar atenção para os filmes de John Ford e sua contribuição estética à sétima arte; foi o próprio baiano que disse que "Deus e o Diabo na terra do sol" era uma tentativa de mesclar essa estética com a realidade brasileira - no caso, o sertão.
Outro nome importante para a perda desse preconceito me foi apresentado recentemente: Charles Portis. Nascido no Arkansas em 1933 e incorporado aos fuzileiros navais na Guerra da Coreia vinte anos depois, Charles abandonou a carreira militar para se dedicar a literatura e ao jornalismo.
É autor de apenas seis novelas; entre elas dois clássicos "westerns" instantâneos que foram levados às telas do cinema:"Norwood"(1966) e "True Grit"(1968). Esse último - traduzido no Brasil como "Bravura Indômita" e filmado em 1969 - ganhou uma nova versão realizada pelos irmãos Coen em 2010. O enredo é batido e infalível; a vingança da filha pelo assassinato do pai; a narrativa é simplória; em primeira pessoa construída pela própria menina de 14 anos. Os personagens; um agente federal com um passado delitivo, um detetive mais interessado na recompensa do que fazer justiça e toda a fauna do velho-oeste mergulhada em coldres com calibres 45. São raríssimos os casos das adaptações cinematográficas serem melhores que os livros. Ainda não vi o filme e - com todo o respeito pela obra dos irmão Coen - não creio que essa seja uma das exceções.

Trecho escolhido: " Eu disse: "Se você se recusar a ir, eu vou ter que atirar em você".
Ele continuou o que estava fazendo e disse: "Ah? Então é melhor engatilhar a sua arma".
Eu tinha esquecido disso. Puxei o cão pra trás com ambos os polegares.
"Até o fim, até travar", Disse Chaney.
"Eu sei como fazer", disse eu. Quando engatilhou eu disse, "Não vai vir
comigo?"
"Acho que não", disse ele. (......)
Apontei o revólver na direção da barriga dele e o derrubei com um tiro.
Ele segurava o ferimento com as duas mãos. Disse, "Não achava que você
fosse fazer isso comigo".
Eu disse, "O que acha agora?"

2 comentários:

  1. Adoro western, e não só dos filmes do Ford, mas Howard Hawks, Anthony Man, John Sturges, Sérgio Leone, San Peckinpah e Lawrence kasdan. Meu filho já está devidamente doutrinado, conhece Joh Wayne, Robert Mitchun, Kirk Douglas e Eatwood. Sempre assistimos Rastros de Ódio, Sem Lei e Sem Alma, Eldorado e Silverado. Semana que vem vou ver essa nova versão de Bravura Indômita, embora não perdoe os irmão Cohen por terem feito Fargo, aquela chatice.

    ResponderExcluir
  2. Denilson!!eu gostei de Fargo..vou garimpar esses filmes que você falou!!o Howard Wawks é genial e Sérgio Leone tem umas trilhas impressionantes!!

    ResponderExcluir